Clique para ir ao início Universidade de Brasília - UnB
Decanato de Ensino de Graduação - DEG
Secretaria de Administração Acadêmica - SAA
MatrículaWeb
GRADUAÇÃO
  Seja bem-vindo(a).
  Para ter acesso ao menu de Aluno, faça o login.
MatrículaWeb  clique aqui para fazer o login.
 


Período Atual
2018/0


Disciplina - Listagem de Ementa/Programa
Disciplina: 186937 - Análise das Relações Internacionais do Brasil
(Ver Oferta)

Graduação

Curso
Oferta
Telefones
Calendário
Mensagem da SAA
Benefícios DAC


Órgão: IREL - Instituto de Relações Internacionais
Código: 186937
Denominação: Análise das Relações Internacionais do Brasil
Nível: Graduação
Vigência: 1974/2
Pré-req: IREL-185329 Teoria Rel Internacionais 2 E
IREL-187020 Hist Rel Inter do Brasil
Ementa:

O objetivo desta disciplina é analisar e discutir a formulação e execução da política exterior do Brasil a partir da segunda metade dos anos 80 sob a perspectiva teórico-conceitual da Análise da Política Externa.



Em vista disso, estuda-se a influência do ambiente internacional - em suas dimensões de anarquia, poder, regulamentação e transnacionalidade - e o papel de fatores domésticos, tais como o do legislativo, dos grupos de interesse e dos grupos de causa, da opinião pública e do sistema de crenças dos tomadores de decisão sobre a política externa.



A primeira parte do curso focaliza temas teórico-conceituais, procurando não perder de vista a sua correspondência com a realidade empírica brasileira; a segunda parte investiga as relações internacionais do país a partir do governo Sarney.



Cabe ainda ressaltar, que o curso direciona-se a explicar a política externa brasileira a partir da combinação das mudanças que ocorrem no espaço internacional com as que se desenvolvem no contexto interno, dando-se ênfase, neste caso, à consolidação da democracia e a internacionalização da economia.



Os textos da Leitura Complementar com asteriscos são leituras recomendadas, ainda que não obrigatórias, pois eles contribuem de modo mais direto para o entendimento do tema da unidade..

Programa:

Unidade 1- Definições e Abordagens teóricas da política externa: uma discussão.

Unidade 2 - Democracia, liberalização econômica e agenda múltipla da política externa no Brasil: quem são os atores da política externa? A relação entre atores governamentais e não-governamentais: os que são formalmente responsáveis e os que influenciam a política externa.

Mudança e continuidade no papel do Itamaraty.

Unidade 3 - O contexto internacional: anarquia, poder, regras e normas, e transnacionalidade

Unidade 4 - O contexto doméstico: o papel do Legislativo

Unidade 5 - O contexto doméstico: a sociedade civil e a política externa

Unidade 6 - O contexto doméstico: o sistema de crenças dos atores tomadores de decisão e a política externa

Unidade 7- O contexto internacional e doméstico: a mídia

O contexto doméstico: a opinião pública

Unidade 8 - Redemocratização, Questões Transnacionais e Política Externa: o Governo de José Sarney

Unidade 9 - A Política Externa dos Governos Fernando Collor de Mello e Itamar Franco: Rupturas e Continuidades?

Unidade 10 - A Política Externa do Governo FHC: autonomia pela integração?

Unidade 11 - A Política Externa do Governo Lula: mudança mais do que continuidade?

Bibliografia:

Leitura principal

LIMA, Maria Regina Soares de. (1994), "Ejes Analíticos y Conflicto de Paradigmas en la Política Exterior Brasileña", in América Latina/Internacional, 1994, v.1, n.2, p.27-31.

HILL, Christopher. (2003), The Changing Politics of Foreign Policy. Hampshire, New York, Palgrave Macmillan, cap. 1, p.1-5.

WEBBER, Mark e SMITH, Michael. (2002), Foreign Policy in a Transformed World. Essex, Pearson Education Limited, cap.1.



Leitura complementar

*HILL, Christopher. (2003), The Changing Politics of Foreign Policy. Hampshire, New York, Palgrave Macmillan, caps. 1 e 2.

*PINHEIRO, Letícia. (2007), How much Foreign Policy Teaching can be Foreign Policy Making? Trabalho apresentado na 4a Conferência Anual da American Political Science Association, Teaching and Learning in Political Science, Charlotte, Carolina do Norte, 9-11 de fevereiro, in http://www.apsanet.org/tlc2007/TLC07Pinheiro.pdf

HUDSON Valerie M. e VORE Christopher S. (1995), "Reflection, Evaluation, Integration: Foreign Policy Analysis Yesterday, Today, and Tomorrow" in Mershon International Studies Review, Vol. 39, No. 2. (Oct., 1995), pp. 209-238.

WHITE, Brian. (1989), "Analyzing Foreign Policy: Problems and Approaches", in WHITE, Brian e CLARKE, Michael, Understanding Foreign Policy: the Foreign Policy Systems Approach. Aldershot. Edward Elgar Publishing Limited, cap. 1, pp1-10.

Leitura principal

LIMA, Maria Regina Soares de. (1994), "Ejes Analíticos y Conflicto de Paradigmas en la Política Exterior Brasileña", in América Latina/Internacional, 1994, v.1, n.2, pp.31-40.

HIRST, Mônica e Lima, Maria Regina, "Contexto Internacional, Democracia e Política Externa", in Política Externa, 2002, v. 11, n. 2.

SALOMON,Mônica.(2007), La Acción Exterior de Los Gobiernos Subnacionais y el Análisis de Políticas Exteriores. Trabalho apresentado no 1º Encontro Nacional da ABRI. Brasília.



Leitura complementar

*CHEIBUB, Zairo Borges. (1985), "Diplomacia e Construção Institucional: O Itamaraty em uma Perspectiva Histórica", Dados, v. 28, n.1.

*HERMAN, BRENO. (2004)O Brasil e a Lei de Propriedade de Propriedade Industrial (9.279/96): Um Estudo da Relação Externo-Interno. Dissertação de Mestrado em Relações Internacionais, IREL-UnB, caps. 5,6,e 7.

*LIMA, Maria Regina Soares de. (2000), "Instituições Democráticas e Política Exterior", in Contexto Internacional, v.22, n.2, in http://publique.rdc.puc-rio.br/contextointernacional/media/Lima_vol22n2.pdf

*HILL, Christopher. (2003), op. cit, cap. 3.

*VIGEVANI, Tullo. (2006), "Federalismo e Relações Internacionais: Marco Jurídico e Institucional. Algumas Experiências", in Maria Izabel Valladão de Carvalho e Maria Helena de Castro Santos (orgs), O Século 21 no Brasil e no Mundo. Bauru, SP, EDUSC.



VIGEVANI, Tullo. (2004), A Dimensão Subnacional e as Relações Internacionais. São Paulo: EDUC, EDUSC, Ed. da UNESP.

CASTRO, Marcus Faro e CARVALHO., Maria Izabel Valladão. (2002), "Globalização e Transformações Políticas Recentes no Brasil", in Revista de Sociologia e Política, no 18, in http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782002000100008&lng=pt&nrm=iso

HOCKING, Brian. (1999), "Introduction: Foreign Ministries: Redefining the Gatekeeper Role", in , Brian Hocking (ed.), Foreign Ministries: Change and Adaptation. New York, St Martin's Press

SILVA, Gabrielle Guimarães. (2002), O Pluralismo na Formação do Interesse Brasileiro em Biossegurança. Dissertação de Mestrado em Relações Internacionais, IREL, UnB, caps. III, V e VI.



Leitura principal

HILL, Christopher. (2003), op. cit, caps. 7(p.174-186) e 8 (p.187-208).

HIRST, Mônica e HURRELL, Andrew. (2009), Brasil - Estados Unidos: Desencontros e Afinidades. Rio de Janeiro, Editora da FGV, p. 128-150 (As Relações Políticas Brasil - Estados Unidos: A agenda de segundo nível).

HURRELL, Andrew. (2009), "Hegemonia, liberalismo e ordem global: qual é o espaço para potências emergentes?", In Hurrell et al., Os Brics e a Ordem Global. Rio de Janeiro, Editora da FGV, p. 9-41.



Leitura Complementar

*VON BÜLLOW. (2007), Organizações da Sociedade Civil e Negociações Comerciais: das Coalizões Domésticas às Redes Transnacionais. Trabalho apresentado no 1º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais, Brasília, 25 a 27 de julho.

*LIMA. (2009), Rodrigo Torres de Araújo. A Participação da Sociedade Civil Organizada na Formulação da Política Externa Brasileira: As Conferências Sociais da ONU da Década de 1990.

Dissertação de Mestrado em Relações Internacionais, IREL, UnB.

FARRANDS, Christopher. (1989), "The Context of Foreign Policy Systems: Environment and Structure", In Michael Clarke e Brian White (eds.), op. cit.

HIRST, Mônica e SOARES de LIMA, Maria Regina, "Contexto Internacional, Democracia e Política Externa", in Política Externa, 2002, v. 11, n. 2.

*KEOHANE Robert O e NYE, Joseph S. (1989), Power and Interdependence. 2a edição, New York: Longman, cap2. O mesmo texto pode ser encontrado em Paul Viotti e Mark V. Kauppi, (1993), International Relations Theory: Realism, Pluralism, Globalism. New York, Macmillan Publishing Company, p. 401- 421.

*ROSENAU,James N.(2000), "Governança, Ordem e Transformação na Política Mundial", In James N. Rosenau e Ernst-Otto Czempiel, Governança sem Governo: Ordem e transformação na Política Mundial. Brasília, Editora da UnB.

HURRELL, Andrew. (2006), "Hegemony, liberalism and global order: what space for would-be great powers?", International Affairs, v. 82, n. 1, p. 1-19, in www.blackwell-synergy.com/doi/pdf/10.1111/j.1468-2346.2006.00512.x

LAFER, Celso e FONSECA JR., Gelson. (1994), "Questões para Diplomacia no Contexto Internacional das Polaridades Indefinidas', in Gelson Fonseca Jr. e Sérgio Nabuco de Castro (orgs.), Temas de Política Externa. São Paulo, Paz e Terra.



Leitura Principal

MARTIN, Lisa.(2000), Democratic Commitments:Legislatures and International Cooperation. Princeton, Princeton University Press, cap. 1: "Introduction", e cap 2, a partir da página 31.

NEVES, Antônio Augusto de Castro. (2003), "O Papel do Legislativo nas Negociações do Mercosul e da ALCA", in Cena Internacional, ano 5, n. 3, in www.unb.br/irel/NewFiles/Cena_Internacional.pdf

ALEXANDRE, Cristina Vieira (2007), O Papel do Poder Legislativo na Política Externa Brasileira: o Caso dos Acordos Referentes ao Centro de Lançamentos de Alcântara (CLA).Trabalha apresentado no 1º Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais, Brasília, DF.



Leitura Complementar

*HERMANN, Breno. (2004), O Brasil e a Lei de Propriedade de Propriedade Industrial(9.279/ 96): Um Estudo da Relação Externo-Interno. Dissertação de Mestrado em Relações Internacionais, IREL-UnB, caps. 5,6,e 7.

*OLIVEIRA, Amâncio e ONUKI, Janina. (2008), Política Externa Brasileira e Legislativo: a atuação dos grupos de interesse. Trabalho apresentado no 6º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, Campinas, Unicamp, 29 de julho a 1 de agosto.

*HILL, Christopher. (2003), op. cit, cap.10: "The Constituencies of Foreign Policy", pp 250-261.

*CESAR, Susan Elisabeth Martins. (2002), O Congresso Nacional e a Política Externa Brasileira (1985-2002), caps. 1, 2, e 3. Dissertação de Mestrado em Relações Internacionais, IREL-UnB.

SANCHEZ, Michelle Ratton et al. (2006), Política Externa como Política Pública: uma Análise pela Regulamentação Constitucional Brasileira (1967/1988).Trabalhado apresentado no 30º Congresso Nacional da ANPOCS, Caxambu, 24-26 de outubro.

Leitura Principal

SANTANA, Helton Reginaldo Presto. (2001), "Grupos de Interesse e a Política Externa Brasileira para a ALCA", in Contexto Internacional, v. 23, n. 1, in http://publique.rdc.puc-rio.br/contextointernacional/media/Santana_vol23n1.pdf

CARVALHO, Maria Izabel Valladão de. (2003), "Estruturas Domésticas e Grupos de Interesse: a Formação da Posição Brasileira para Seattle", in Contexto Internacional, v. 25, n.2, in http://publique.rdc.puc-rio.br/contextointernacional/media/Carvalho_vol25n2.pdf



Leitura Complementar

*OLIVEIRA, Amâncio. (2006), "O empresariado e a política exterior do Brasil", in Henrique Altemani e Antonio Carlos Lessa, Relações internacionais do Brasil:temas e agendas, v.2. São Paulo: Saraiva, p.389-427.

*HOCKING, Brian. (2004), "Beyond Seattle: Adapting the Trade Policy Process", in Brian Hocking e Steven Mcguire (eds.), Trade Politics. London, Routledge, 2ª Edição.

CHALOULT, Yves e ALMEIDA, Paulo Roberto (orgs.). (1999), Mercosul, NAFTA e ALCA: a Dimensão Social.São Paulo, LTR. (Capítulo sobre a participação das centrais sindicais no processo de integração)

SKIDMORE, David e VALERIE, Hudson M. (1993), The Limits of State Autonomy: Societal Groups and Foreign Policy Formulation. Boulder. CO: Westview Press.

VEIGA, Pedro da Motta. (2002), "O Policy - Making da Política Comercial no Brasil", in INTAL-ITD-STA, INTAL-ITD-STA. (2002), El Proceso de Formulación de la Política Comercial. Nivel uno de un juego de dos niveles: estudios de países en el Hemisferio Occidental. Buenos Aires, Documento de Divulgación 13, in http://www.iadb.org/intal.

McCormick, James M. (1998) "Interest Groups and the Media in Post-Cold War U.S. Foreign Policy", in James M. Scott (ed.), After the End: Making U.S. Foreign Policy in the Post- Cold War, Duke University Press, p.170-198..

Leitura Principal

SILVA, Alexandra de Mello e. (1995), "O Brasil no Continente e no Mundo: Atores e Imagens na Política Externa Brasileira Contemporânea", in Estudos Históricos, v. 8, n.15. in http://www.cpdoc.fgv.br/revista/arq/166.pdf .

ARBILLA, José María. (2000), "Arranjos Institucionais e Mudança Conceitual nas Políticas Externas Argentina e Brasileira (1989-1994)", in Contexto Internacional, v. 22, n.2, p.337-385, in http://publique.rdc.puc-rio.br/contextointernacional/media/Arbilla_vol22n2.pdf .



Leitura Complementar

*VIEIRA, Marco Antônio Muxagata de Carvalho. (2001), "Idéias e Instituições: uma reflexão sobre a Política Externa Brasileira do início da década de 90', in: Contexto Internacional, v. 23, n.2, p.245-293, in http://publique.rdc.puc-rio.br/contextointernacional/media/Vieira_vol23n2.pdf .

*HERZ, Mônica. (1994), "Análise Cognitiva e Política Externa", Contexto Internacional , v. 16, n.1, pp. 75-89, in http://publique.rdc.puc-rio.br/contextointernacional/media/Herz_vol16n1.pdf .

*CERVO, Amado Luís. (1998) "Os Grandes Eixos Conceituais da Política Exterior do Brasil", in Revista Brasileira de Política Internacional, Ano 41, n. especial "40 anos".

*FONSECA Jr., Gelson. "Mundos Diversos, Argumentos Afins: Notas sobre Aspectos Doutrinários da Política Externa Independente e do Pragmatismo responsável", in ALBUQUERQUE, José Augusto A. , Sessenta Anos de Política Externa Brasileira (1930-1990), v. I, Crescimento, Modernização e Política Externa. São Paulo, Cultura Editores Associados/ Núcleo de Pesquisa em Relações Internacionais.

GOLDSTEIN, J. e KEOHANE, R.O. (1993). "Ideas and Foreign Policy: an Analytical Framework", in GOLDSTEIN, J. E KEOHANE, R.O.(eds.), Ideas and Foreign Policy, Beliefs, Institutions, and Political Change. Ithaca and London, Cornell University Press, cap.1.

Leitura Principal

CAMARGO, Júlia F.(2009), Mídia e Relações Internacionai:Lições da Invasão do Iraque em 2003. Curitiba, JURUÁ Editora, cap.2

COHEN, Samy. (2004), "A irrupção da opinião pública na análise decisória", in Marie Claude Smouts (org.), op. cit.

SOUZA, Amaury de. (2009), A agenda internacional do Brasil: a política externa brasileira de FHC a Lula. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda, p.1-3, p.11-56.



Leitura Complementar

*MANZUR, Tânia M. P. G. (1999), Opinião Pública e Política Externa do Brasil do Império a João Goulart", in Revista Brasileira de Política Internacional, Ano 42, n. 1

*SOUZA, Amaury de. (2002), A Agenda Internacional do Brasil: Um Estudo sobre a Comunidade Brasileira de Política Externa. Centro Brasileiro de Relações Internacionais, in http://www.cebri.org.br/01_principal.cfm .

*SHAPIRO, Robert Y. e PAGE, Benjamin I. (1994), "Foreign Policy and Public Opinion", in David A. Deese, The New Politics of American Foreign Policy. New York, St. Martin's Press.

BENNET, W. Lance (1994), "The Media and Foreign Policy Process", in David A. Deese, The New Politics of American Foreign Policy. New York, St. Martin's Press.

RISSE-KAPEN, Thomas. (1994), "Masses and Leaders: Public Opinion, Domestic Structures and Foreign Policy", in David Deesse, The New Politics of American Foreign Policy. New York, St. Martin's Press, Inc.

Leitura Principal

SENNES, Ricardo. (2003), As Mudanças da Política Externa Brasileira nos Anos 90: Uma Potência Média Recém Industrializada. Porto Alegre, Editora da UFRGS, caps. IV, V, e "Considerações Finais".

LIMA, Maria Regina Soares de. (1994), "Ejes Analíticos y Conflicto de Paradigmas en la Política Exterior Brasileña", in América Latina/Internacional, 1994, v.1, n.2, pp.40-46.



Leitura Complementar

*HIRST, Mônica e LIMA, Maria Regina Soares de. (1990), "Crisis y Toma de Decisión en la Política Exterior Brasileña: el Programa de Integración Argentina - Brasil y las Negociaciones sobre la Informática con Estados Unidos", in RUSSELL, Roberto (org.), Política Exterior y Toma de Decisiones en América Latina. Buenos Aires, RIAL/Grupo Editor Latinoamericano, p. 61 - 110.

*HIRST, Mônica e LIMA, Maria Regina Soares de. (1997), " O Brasil e os Estados Unidos: Dilemas e Desafios de uma Relação Complexa", in FONSECA JÚNIOR, Gelson e CASTRO, S.H. Nabuco (orgs.), Temas de Política Externa Brasileira II. Brasília/São Paulo, IPRI/Paz e Terra.

PEREIRA, Ana Lúcia Danilevicz. (2003), A Política Externa do Governo Sarney: A Nova República diante do Reordenamento Internacional (1985-1990). Porto Alegre, UFRGS.

CORREA, Luis Felipe de Seixas. (1996), " A Política Externa de José Sarney", in ALBUQUERQUE, José Augusto A. , Sessenta Anos de Política Externa Brasileira (1930-1990), v. I, Crescimento, Modernização e Política Externa. São Paulo, Cultura Editores Associados/ Núcleo de Pesquisa em Relações Internacionais, pp 361-385.

MOREIRA, Marcílio Marques. (2001), Diplomacia, Política e Finanças: De JK a Collor. 40 Anos de História por um de seus Protagonistas/Entrevista à Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro, Objetiva.

ontinuidades?



Leitura Principal

HIRST, Mônica e PINHEIRO, Letícia. (1995), " A Política Externa Brasileira em Dois Tempos", in Revista Brasileira de Política Internacional, ano 38, n. 1.

ARBILLA, José Maria. (2000), "Arranjos Institucionais e Mudança Conceitual nas Políticas Externas Argentina e Brasileira (1989-1994)", in Contexto Internacional, v. 22, n.2, p.337-383, in http://publique.rdc.puc-rio.br/contextointernacional/media/Arbilla_vol22n2.pdf



Leitura Complementar

CASTRO, Marcus Faro e CARVALHO., Maria Izabel Valladão. (2002), "Globalização e Transformações Políticas Recentes no Brasil", in Revista de Sociologia e Política, no 18, p. in http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782002000100008&lng=pt&nrm=iso



*BATISTA, Paulo Nogueira. (1993), "A Política Externa do Governo Collor: Modernização ou Retrocesso", in Política Externa, v. 1 n. 4.

*LAFER, Celso. "A Política Externa Brasileira no Governo Collor", in Política Externa, v. 1 n. 4.

AMORIM, C. (1994), "Uma Diplomacia Voltada para o Desenvolvimento e a Democracia", in FONSECA JÚNIOR, Gelson e CASTRO, S.H. Nabuco (orgs.), Temas de Política Externa Brasileira II. Brasília/São Paulo, IPRI/Paz e Terra.

LESSA, Antônio Carlos. "A Diplomacia Universalista do Brasil: a Construção do Sistema Contemporâneo de Relações Bilaterais", in Revista Brasileira de Política Internacional, ano 41, Especial 40 anos.

Leitura Principal

VIGEVANI, Tullo, OLIVEIRA, Marcelo F. de, CINTRA, Rodrigo. (2003), "Política Externa do Governo FHC: A Busca de Autonomia pela Integração", in Tempo Social, v. 15, n. 2, pp.31-61, in http://www.scielo.br/pdf/ts/v15n2/a03v15n2.pdf

HIRST, Mônica e HURRELL, Andrew.. (2009), Brasil - Estados Unidos: Desencontros e Afinidades. Rio de Janeiro, Editora da FGV, cap. 4 e notas correspondentes.



Leitura Complementar

*VIOLA, Eduardo. (2005), "Transformações na posição do Brasil no sistema internacional (1990-2005), in Plenarium, Cãmara dos Deputados, Ano II, n. 2.

*PINHEIRO, Letícia. (2004), Política Externa Brasileira. Rio de Janeiro, Zahar Editora Ltda. Caps.: "Em Busca de uma Nova Inserção Internacional" e Considerações Finais".

*FONSECA Jr., Gelson. "Mundos Diversos, Argumentos Afins: Notas sobre Aspectos Doutrinários da Política Externa Independente e do Pragmatismo responsável", in ALBUQUERQUE, José Augusto A. , Sessenta Anos de Política Externa Brasileira (1930-1990), v. I, Crescimento, Modernização e Política Externa. São Paulo, Cultura Editores Associados/ Núcleo de Pesquisa em Relações Internacionais.

*CERVO, Amado Luiz. (2002), "Relações Internacionais do Brasil: um Sumário da era Cardoso", in Revista Brasileira de Política Internacional, v.45, n.1.

ALMEIDA, Paulo Roberto de e BARBOSA, Rubens Antonio Barbosa (orgs.). (2005), Relações Brasil-Estados Unidos:assimetrias e convergências. 2005, São Paulo, Editora Saraiva.

LAMPREIA, Luiz Felipe. (1998), "A Política Externa do Governo FHC: Continuidade e Renovação" in Revista Brasileira de Política Internacional, v.41, n.2.

Leitura Principal

LIMA, Maria Regina Soares de e HIRST, Mônica. (2009), "Brasil como país intermediário e poder regional", In Hurrell et al, Os Brics e a Ordem Global. Rio de Janeiro, Editora da FGV, p.43-73.

CASON, Jeffrey e POWERS, Timothy. (2009), "Presidentialization, Pluralization, and the Rollback of Itamaraty: Explaining Change in Brazilian Foreign Policy Making in the Cardoso-Lula Era". International Political Science Review, v.30,n.2, p.117-140.

*VIGEVANI, Tullo e CEPALINI, Gabriel. (2007), "A política externa de Lula da Silva: a estratégia da autonomia pela diversificação", Contexto Internacional, v.29, n.2, julho/dezembro, p.273-335, in http://publique.rdc.puc-rio.br/contextointernacional .



Leitura Complementar

*ALMEIDA, Paulo Roberto de. (2006), "Uma nova 'arquitetura' diplomática? - Interpretações

divergentes sobre a política externa do governo Lula (2003-2006)",

Revista Brasileira de Política Internacional, ano 49, n.1, p. 95-116.

ALBUQUERQUE, José Augusto Guillon. (2005), "Economia política e política externa do Governo Lula: as três agendas de um ativismo inconseqüente", Plenarium, vol. 2, n. 2, p. 84-93.

*LIMA, Maria Regina Soares de. (2005), "A política externa brasileira e os desafios da cooperação Sul-Sul", Revista Brasileira de Política Internacional, ano 48, n.1, p.24-59.

AMORIM, Celso. (2004), "A política externa do Governo Lula", Política Externa, 13 - 1, junho-agosto.

VEIGA, Paulo da Motta. (2005), "A política comercial do governo Lula: continuidade e inflexão", Revista Brasileira de Política Exterior, n. 83, p.2-9.



© 2017 CPD - Centro de Informática
UnB - Universidade de Brasília